Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Letras Português
Início do conteúdo da página

Faculdade de Linguagem (Letras Língua Portuguesa)

Publicado: Quinta, 15 de Setembro de 2016, 22h56 | Última atualização em Quinta, 22 de Junho de 2017, 18h24

Projetos

A Faculdade de Linguagem (Língua Portuguesa), por meio de seu corpo docente, mantém um conjunto de ações relacionadas à extensão e à pesquisa, conforme demonstram os diferentes projetos relacionados abaixo.

Natureza do Projeto: Pesquisa

Título do projeto: Proposições de agrupamentos temáticos para um dicionário onomasiológico da língua Suruí-Aikewára

Resumo: Trata da identificação de agrupamentos temáticos na perspectiva linguística-cultural do povo Aikewára para construção de um dicionário bilíngue onomasiológico (temático) da língua Suruí-Aikewára, na direção Suruí-Aikewára/Português. Nesse sentido, a pesquisa deve envolver a documentação da língua indígena por meio de registros sonoros, com as respectivas transcrições, e análise de aspectos fonológicos, morfossintáticos e lexicais do material linguístico coletado. A partir desses dados linguísticos, buscar-se-á desenvolver o referido dicionário contando sempre com a colaboração, sobretudo, dos professores Suruí-Aikewára, na condição de pesquisadores de sua própria língua.

Data de início: 2015     Data de término: 2017

Coordenador: Jorge Domingues Lopes
Bolsistas: Renan do Socorro dos Santos Borges, Carlos Augusto dos Santos Machado

Agência financiadora: PRODOUTOR/PROPESP/UFPA

Natureza do Projeto: Pesquisa

Título do projeto: As formas de tratamento nominais e pronominais nas redes sociais em Cametá/PA

Resumo: Em decorrência de um estudo das formas de tratamento pronominais tu/você/o(a) senhor(a) na variedade falada do português  da zona urbana do município de Cametá com base em redes sociais e comunidade de prática, advindo do Grupo Sociolin-CE (grupo de pesquisas sociolinguísticas), surge-nos o interesse em darmos continuidade e aprofundamento à análise das formas de tratamento nominais e pronominais a partir das comunidades de prática dos universitários, embasando-nos nas ideias de Labov (2001) sobre redes socias, na Semântica de poder e solidariedade (BROWN; GILMAN, 1960) e na comunidade de prática (ECKERT e MCCONNELL-GINET, 2010). O objetivo central é analisar o papel de fatores linguísticos/pragmáticos e fatores extralinguísticos ou sociais (sexo/gênero, faixa etária e relações hierárquicas) na motivação do comportamento variável das formas de tratamento pronominais e nominais nas redes socias dos estudantes jovens de ensino superior do município de Cametá-PA, como também compreender o papel social desempenhado pelos falantes na comunidade de prática por meio da construção do significado social das variáveis usadas e a construção da identidade do indíviduo. A proposta é estudar a variação e mudança linguística, utilizando uma metodologia que considere o uso da língua a partir das relações sociopessoais e de frequência entre os interlocutores, no interior das redes sociais, percebendo tanto as nuances estilísticas como discursivas no uso das formas de tratamento. Os dados serão analisados pela ferramenta estatística computacional GOLDVARB-X, seguindo o modelo laboviano de análise.

Data de início: 2016     Data de término: 2018

Coordenadora: Raquel Maria da Silva Costa
Bolsistas: Josenyr Lima Santos; Kettélen Mayara Tavares Brito

Agência financiadora: PIBIC-Prodoutor; PIBIC-interior

Natureza do Projeto: Pesquisa

Título do projeto: O sistema vocálico do Português do nordeste paraense – caracterização acústica das vogais pretônicas

Resumo: O sistema vocálico do português do Nordeste Paraense: caracterização acústica das vogais pretônicas está diretamente vinculado ao grupo de Pesquisa Vozes da Amazônia, coordenado pelas professoras Dra. Regina Cruz (UFPA/CNPq) e Dra. Raquel Maria da Silva Costa e ao projeto institucional Caracterização acústica do sistema vocálico do português da Amazônia Paraense. Uma das ações deste projeto é caracterizar acusticamente os sistemas vocálicos tônicos e átonos das variedades estudadas da Amazônia paraense pela equipe da UFPA. Este grupo foi criado em 2005 para responder as seguintes perguntas: 1) Como são realizadas foneticamente as vogais no Português (do Brasil)? 2) Como se explica ou o que motiva, a diversidade de realizações fonéticas?; 3) Como os falantes do Português (do Brasil) se entendem apesar das diversidades da qualidade vocálica?; 4) É possível explicar essa diversidade gramaticalmente? Até o presente momento cinco regiões estão sendo investigadas no Estado do Pará: Belém, Breves, Cametá, Mocajuba e Breu Branco, tanto nas suas zonas rurais quanto urbanas. dentro deste apresentamos o plano de trabalho “CARACTERIZAÇÃO ACÚSTICA DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS DO PORTUGUES FALADO EM CAMETA” que tem como objetivo único caracterizar acusticamente as vogais orais tônicas e as átonas em contexto pretônico, de itens lexicais na área urbana e rural do município de Cametá, Nordeste do estado do Pará, para fornecer uma referência do espaço vocálico. Três parâmetros acústicos serão controlados: F1, F2 e F0 intrínseca de cada vogal. F1 e F2 serão medidos no ponto central da parte estável de cada vogal. Toda análise acústica será realizada com o Programa PRAAT. Esse programa permite decompor a onda sonora complexa das vogais em suas frequências primárias. O corpus será constituído por uma amostra estratificada de 24 informantes de Cametá, selecionados de acordo com sexo, faixa etária, nível de escolaridade e procedência. A coleta dos dados será realizada através de uma entrevista dirigida ou teste, o qual consistirá na identificação de desenhos pelos informantes (interpretados pelo falante como testes de memória).

Data de início: 2017     Data de término: 2018

Coordenadora: Raquel Maria da Silva Costa
Bolsistas:
Voluntários: Karina Pereira

Agência financiadora: PIBIC-Prodoutor; PIBIC-interior

Natureza do Projeto: Extensão

Título do projeto: Plataforma Interativa de Dados Geo-Históricos, Bibliográficos e Linguístico-Culturais da Diversidade Linguística no Brasil baseada no Mapa Etno-Histórico, de Curt Nimuendaju

Resumo: O presente Projeto visa convergir esforços para a elaboração de uma plataforma interativa contendo conteúdos sobre a diversidade linguística no Brasil. Pretende-se colocar em diálogo e cooperação a experiência do IPHAN, no que se refere à preservação da memória e a promoção dos bens culturais do Brasil, a Universidade Federal do Pará, como centro de pesquisa em línguas indígenas brasileiras, com a expertise do IBGE em produzir e elaborar conteúdos através de estatísticas e de mapas interativos.

Data de início: 2016     Data de término: 2018

Coordenador: Jorge Domingues Lopes
Estagiários: Fernando Luiz Pompeu Varela, Fernando Luiz Pompeu Varela

Agência financiadora: IPHAN

Natureza do Projeto: Pesquisa/Ensino

Título do projeto: A Inserção de Práticas Inclusivas no Currículo de Letras do CUNTINS

Resumo: O curso de Letras do Campus Universitário do Tocantins/Cametá surge com o Projeto de Interiorização da UFPA em 1986, quando o referido campus foi implantado. No início as turmas eram ofertadas no período intensivo, a partir de 2000 o campus passa a ofertar turmas no período regular, a implementação do curso na microrregião de Cametá muito vem contribuindo com os municípios pertencentes a esta região, ao longo desses quase 30 anos, não podemos deixar de enfatizar os mais distintos projetos que já foram desenvolvidos pelos docentes da faculdade, tais projetos contribuíram para o ensino, pesquisa e extensão, tendo a participação e envolvimento de alunos do campus e bolsistas desses projetos. Hoje além de turmas intensivas e extensivas no Campus de Cametá, temos turmas em nossos núcleos universitários no período intensivo nas cidades de Limoeiro do Ajuru e Mocajuba, no ano de 2016 teremos nossa primeira turma extensiva, em um de nossos núcleos universitários. Os avanços para uma formação firme e embasada nas diretrizes que regem os cursos de licenciatura. Propomos este projeto intitulado: \"A Inserção de Práticas Inclusivas no Currículo de Letras do CUNTINS\", para reorganizar o PP do curso de letras, e de acordo com os dados fornecidos pela Secretaria Municipal de Educação de Cametá, temos hoje em toda a rede municipal de ensino em média 120 alunos que apresentam perda auditiva, e em muitos casos os alunos tem perda severa e precisam se comunicar em Língua Brasileira de Sinais - Libras, mas os professores em sua grande maioria não sabem utilizar a Libras, bem como metodologias para o ensino-aprendizagem de Português como segunda língua para surdos. O Decreto N° 5.626 de dezembro de 2005 que regulamenta a Lei n° 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e a Lei n° 10.098, de 19 de setembro de 2000 estabelece a LIBRAS como disciplina curricular nos cursos de licenciatura, a partir do decreto a Faculdade de Linguagem promove debates entre seus docentes para a inserção de componentes curriculares voltados para a educação de surdos. A faculdade desde o ano de 2014 tem no quadro de docentes um profissional da área que vem desenvolvendo ações de ensino, pesquisa e extensão na área da surdez, junto à faculdade o docente desenvolve ações com GEPEES – Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Educação de Surdos, que visa pesquisar, catalogar e contribuir na formação continuada dos professores da educação básica da microrregião de Cametá, com abrangência dos municípios atendidos pelo Campus do Tocantins/Cametá, que são: Mocajuba, Oeiras do Pará, Limoeiro do Ajuru e Baião, assim como oportunizar que os discentes do curso de letras se envolvam nas pesquisas e/ou atividades desenvolvidas pelo GEPEES. De acordo com as exigências conforme as leis explicitadas acima, o referido projeto irá proporcionar uma ampla formação na área da surdez, com visão crítica e conhecimento teórico-prático aprofundados na educação de surdos.

Data de início: 03/2016     Data de término: 12/2017

Coordenador: Orlando Miranda Júnior
Bolsistas: Kelly Cristina Viana dos Santos / Michel Gomes de Souza
Voluntárias: Ana Karoline Rodrigues Alves; Athayse Raiana Wanzeler Teles; Jacigraça Sepeda Costa

Agência financiadora: PROEG/UFPA

Natureza do Projeto: Extensão

Título do projeto: Ensino de Libras na Amazônia Tocantina: Formação de Professores da Educação Infantil

Resumo: Este Projeto caracteriza-se como uma pesquisa qualitativa sobre o processo de Educação de Surdos e a formação dos professores envolvidos na Educação Inclusiva e tem como objetivos principais realizar Oficinas e Palestras sobre Educação Inclusiva com a intenção de possibilitar a inserção dessa temática na prática cotidiana das escolas do campo e da cidade de Educação Infantil do Município de Cametá e contribuir com a formação dos professores e estudantes envolvidos nas ações do projeto, verificando articulações necessárias entre as práticas de Educação do Campo e Educação Inclusiva. Para alcançar tais objetivos serão desenvolvidas várias ações como estudo documental, bibliográfico e de campo, realização de minicursos e oficinas, construção de materiais didáticos visando à utilização nas vivências pedagógicas, realização de eventos científicos, promoção de encontros pedagógicos a fim de possibilitar a integração entre professores da Faculdade da Linguagem do Campus do Tocantins/Cametá e professores que atuam nas Escolas de Educação Inclusiva no município, assim como possibilitar a participação de estudantes de cursos de licenciaturas da UFPA nas atividades de pesquisa, ensino e extensão que ocorrerem durante o período de execução das atividades do Projeto. Espera-se alcançar como resultados a formação de estudantes e professores no sentido de que esses sujeitos possam inserir em suas práticas escolares cotidianas atitudes inclusivas nas escolas públicas do campo e da cidade.

Data de início: 03/2015     Data de término: 02/2016

Coordenador: Orlando Miranda Júnior
Bolsista: Kelly Cristina Viana dos Santos
Voluntárias: Jacigraça Sepeda Costa; Jorgiana Brito da Silva; Sílvia de Lima Batista

Agência financiadora:

Natureza do Projeto: Extensão

Título do projeto: Banco de Atividades Pedagógicas em Língua Portuguesa para Alunos Surdos

Resumo: Este Projeto caracteriza-se como uma proposta pedagógica sobre o processo de Educação de Surdos e a formação dos professores envolvidos no ensino de Língua Portuguesa e tem como objetivos principais realizar Oficinas e Palestras sobre o ensino de Língua Portuguesa para surdos com a intenção de possibilitar a inserção dessa temática na prática cotidiana das escolas do campo e da cidade do Ensino Fundamental do Município de Cametá e contribuir com a formação dos professores e estudantes envolvidos nas ações do projeto, verificando articulações necessárias entre as práticas desenvolvidas nas escolas. Tem como objetivos realizar estudos e pesquisas no ensino de Língua Portuguesa para surdos com a intenção de possibilitar a inserção dessa temática nas práticas cotidianas das escolas do campo e da cidade no município de Cametá e contribuir com a formação dos professores e estudantes envolvidos nas ações do projeto, verificando possíveis articulações entre a teoria e prática no ensino de Português para surdos. Para isso, este projeto busca incentivar o professor a fazer de suas aulas um espaço de investigação, de pesquisa e de geração de novos saberes e de reflexões sobre a Educação de Surdos. Promover ações visando contribuir com a formação dos professores de Língua Portuguesa e estudantes da UFPA e professores que atuam na Educação do Campo. Realizar estudos e pesquisas em Educação Inclusiva, voltada para a Educação de Surdos. Consolidar a integração entre a Educação Básica e a Educação Superior contribuindo com a formação continuada dos professores de Língua Portuguesa do Município de Cametá e demais Estudantes da UFPA. Promover ações educativas focando o Ensino de Língua Portuguesa para Surdos, por meio de mini curso e oficinas; Promover oficinas de construção de materiais didáticos inclusivos, capazes de contribuir com o fazer educativo dos professores que atuam na educação básica, realizar seminário temático abordando a Educação Inclusiva em parceria com o GEPEEI; Publicar e divulgar as produções científicas; Participar em eventos científicos. 

Data de início: 03/2016     Data de término: 02/2017

Coordenador: Orlando Miranda Júnior
Bolsista: Athayse Raiana Wanzeler Teles

Agência financiadora:

Natureza do Projeto: Pesquisa

Título do projeto: Uma Educação no Dorso do tigre: Literatura e Experiências Formativas

Resumo: O projeto de Pesquisa propõe-se a ensaiar uma perspectiva de educação gestada no dorso do tigre – expressão grafada no escrito Sobre verdade e mentira no sentido extramoral, de Friedrich Nietzsche (1873), e canibalizada por Benedito Nunes nos interstícios de sua obra “O dorso do tigre” (1970; 2009), ensaio situado entre filosofia e literatura. Pensar a educação nos interstícios entre filosofia e literatura constitui o objetivo principal deste trabalho. Cavalgar no dorso dos fios literários de escritores-filósofos como Nietzsche, Deleuze, Kafka, Proust, Clarice Lispector, Manoel de Barros, constitui algumas das especiais motivações para esta pesquisa, pois se trata de escritores-filósofos capazes de tocar com agudeza e suavidade os abismos da existência humana; seus estilos de escritura são capazes de tecer fendas no limiar da filosofia, literatura e educação por onde podemos espreitar experiências formativas que dão a pensar/recriar nossas relações com o mundo, o outro, conosco mesmos. Espreita-se, aqui, uma educação gestada no dorso do tigre do Pensamento da Diferença, desejosa do outro e seus contágios e devoradora de um vitalismo capaz de verter o sangue impiedoso da educação em suplemento ávido de vida no que nela há de belo e trágico, de múltiplo e singular nos devires da experiência formativa. Tal é a perspectiva de uma educação gestada no dorso do tigre: vivificar as intempéries de experiências formativas inscritas nos labirintos existenciais de escritos literários, capazes de problematizar/recriar a educação em seu valor estético e formativo, belo e trágico, simultaneamente. Um gesto filosófico que implica deixar às margens o aprendido para cavalgar no dorso do tigre, isto é, no risco do aprender de novo, ou, simplesmente, viver.

Data de início: 10/2014     Data de término: 08/2017

Coordenadora: Gilcilene Dias da Costa
Bolsistas: Jessé Pinto Campos; Fabíola de Fátima Igreja; Maria Cleane Almeida Baia
Voluntários: Élito Omir Ramos Pontes; Gilma Guimarães Lisboa; Jessé Pinto Campos; Regiane Farias Neves

Agência financiadora: PIBIC/UFPA

registrado em:
Fim do conteúdo da página