Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Cametá

Publicado: Sexta, 12 de Maio de 2017, 12h16 | Última atualização em Sexta, 12 de Maio de 2017, 17h34 | Acessos: 70

A Universidade Federal do Pará, por meio do Campus Universitário do Tocantins/Cametá, iniciou suas atividades no município de Cametá no ano de 1987. Conheça um pouco mais sobre esse importante município paraense.

Gentílico: cametaense

Histórico de Cametá (Pará - PA)

Em 1635, Feliciano Coelho de Carvalho ancorou sua caravela na primeira porção de terra firme da margem esquerda do Tocantins. Encontrou a tribo dos Camutás já pacificada pelo Frei Cristovão de São José e em 24 dezembro fundou a vila Viçosa de Santa Cruz do Camutá, a primeira cidade no baixo rio Tocantins. Mais de três séculos e meio depois, Cametá é um dos portos mais importantes do Pará.
O município de Cametá é o mais antigo e tradicional dos baixos rios do Tocantins, pela sua importância histórica empresta seu nome à antiga microrregião de Cametá. Com uma história interessante, Cametá passou recentemente a categoria de Patrimônio Histórico Nacional pela Lei n.º 7537, de 16 de setembro de 1986 pela sua notável tradição histórica.
Tão logo é fundada Belém, as atenções dos colonizadores portugueses voltam-se para a zona do rio Tocantins, mesmo porque franceses e holandeses já tinham se estabelecido no nordeste e feito o reconhecimento para exploração desta região. Com a expulsão dos estrangeiros intensificou-se a colonização na região para que a Coroa Portuguesa não perdesse território em função do Tratado de Tordesilhas. Assim sendo, começa a colonização do Tocantins, mais de um século após o descobrimento do Brasil e Cametá é a segunda localidade fundada no Pará.
As primeiras incursões são dos padres jesuítas, que no seu afã catequético avançam aos mais longínquos e inóspitos rincões. Deste modo, novo governador do Maranhão e Grão-Pará, Jerônimo e Alburquerque, incumbe os padres capuchos de Santo Antônio da catequese do gentio no território que governa. Por estas plagas habitavam os índios Camutás, possivelmente uma tribo pertencente à grande nação Tupinambá, pois utilizava o Tupi como idioma. Saliente-se ainda que essa língua já foi a mais falada nessa região, tanto que ficou registrado no toponímia local. O primeiro sacerdote a realizar o trabalho de catequese por estas plagas foi Frei Cristovão de São José.
Por aqui ele aportou por volta de 1617 numa faixa de terra que é a primeira porção de terra firme às margens do Tocantins ? Cametá-Tapera. Imediatamente entrou em contato com a tribo dos Camutás, conhecidos como hábeis remadores em montarias e exímios caçadores. Depois de árdua catequese conseguiu arrebanhar os índios para a circunvizinhança de uma ermida às margens do rio, isso ocorreu por volta de 1620, originando-se assim o primeiro povoamento do baixo rio Tocantins. Essa povoação serviria posteriormente como alicerce para a donataria de Feliciano Coelho de Carvalho.
A donatária de Camutá foi concedida a Feliciano Coelho de Carvalho por ato do governador do Maranhão e Grão-Pará Francisco Coelho de Carvalho que em 14 de dezembro de 1633 doou para seu filho a vasta capitania que cobria todo o vale do rio Tocantins.

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de vila Viçosa de Santa Cruz de Camutá, em 1635.
Elevado à categoria de vila com a denominação de Viçosa de Santa Cruz de Camutá, em dezembro de 1635.
Elevado à condição de cidade e sede do município com a denominação de Cametá, pela Lei Provincial n.º 145, de 24-10-1848.
Pela Lei Provincial n.º 228, de 20-12-1853, é criado o distrito de Mocajuba e anexado ao município de Cametá.
Pela Lei 707, de 05-04-1872, é desmembrado do município de Cametá o distrito de Mocajuba. Elevado à categoria de município.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município aparece constituído de 9 distritos: Cametá, Puraru, Tamanduá, Joroca, Limoeiro, Curuçamba, Maú, São Benedito e Providência.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município é constituído do distrito sede.
Em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, o município aparece constituído de 10 distritos: Cametá, Carapajó, Conceição, Curuçambaba, Joroca, Juaba, Limoeiro, Providência, São Benedito e São Raimundo dos Furtados.
Pelo Decreto-lei Estadual n.º 2.972, de 31-03-1938, são extintos os distritos de Conceição, Limoeiro, Providência, e São Domingos dos Furtados sendo seus territórios anexados ao distrito sede de Cametá, e o distrito de São Domingos dos Furtados anexado ao distrito de Juaba.
Pelo Decreto-lei Estadual n.º 3.131, de 31-10-1938, o distrito de Limoeiro passou a denominar-se Joana Coeli.
No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, o município é constituído de 6 distritos: Cametá, Carapajó, Curuçambaba, Joana Coeli ex-Limoeiro, Juaba e São Benedito.
Pelo Decreto-lei Estadual n.º 4.505, de 30-12-1943, o distrito de São Benedito passou a denominar-se Moiraba.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município é constituído de 7 distritos: Cametá, Carapajó, Curuçambaba, Joana Coeli, Juaba, Moiraba e São Raimundo dos Furtados.
Em divisões territoriais datadas de 1-VII-1955, o município é constituído de 7 distritos: Cametá, Carapajó, Caruçambaba, Joana Coeli, Juaba, Moiraba e São Raimundo dos Furtados.
Pelo Acórdão do Superior Tribunal Federal de 04-10-1955, é extinto o distrito de São Raimundo dos Furtados, sendo seu território anexado ao distrito sede de Cametá.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 6 distritos: Cametá, Carapajó, Curuçambaba, Joana Coeli, Juaba e Moiraba.
Pela Lei Estadual n.º 2.460, de 29-12-1961, é criado novamente o distrito de São Raimundo dos Furtados com terras desmembradas do distrito sede de Cametá e anexado ao município de Cametá.
Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o município é constituído de 7 distritos: Cametá, Carapajó, Curuçambaba, Joana Coeli, Juaba, Moiraba e São Raimundo dos Furtados.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 31-XII-1968.
Pela Lei Estadual n.º 4.606, de 12-12-1975, é criado o distrito de Vila do Carmo do Tocantins e anexado ao município de Cametá.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1983, o município é constituído de 7 distritos: Cametá, Carapajó, Curuçambaba, Joana Coeli, Juaba, Moiraba e Vila do Carmo do Tocantins.
Pela Lei Estadual n.º 5.333, de 26-07-1986, é criado o distrito de Areião (ex-povoado) e anexado ao município de Cametá.
Em divisão territorial datada de 1988, o município é constituído de 8 distritos: Cametá, Areião, Carapajó, Curuçamba, Joana Coeli, Juaba, Moiraba e Vila do Carmo do Tocantins.
Em divisão territorial datada de 1995, o município é constituído de 8 distritos: Cametá, Areião, Carapajó, Curuçambaba, Joanacoeli (ex-Joana Coeli), Juaba, Moiraba e Vila do Carmo de Tocantins.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2001.
Em divisão territorial datada de 2005, o município é constituído de 9 distritos: Cametá, Areião, Carapajó, Curuçambaba, Joanacoeli, Juaba, Moiraba, Torres do Cupijó e Vila do Carmo de Tocantins.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

 

Fonte das informações
Enciclopédia dos Municípios Brasileiros. Rio de Janeiro : IBGE, 1957. v. 14, p. 328-329. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv27295_14.pdf>. Acesso em: jan. 2014.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
Disponível em: <http://cod.ibge.gov.br/EN7>
Acesso em: 12 mai.2017

Fim do conteúdo da página